Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

*Um desgosto, uma ausência.*

Já devem ter estranhado a minha ausência quer no meu, quer nos vossos blogs. Na verdade, sofri mais um revés da vida com o qual não estava a contar. Ultimamente, os golpes do destino têm sido seguidos e eu, não sei como, arranjo forças para enfrentar as situações e ainda ser o pilar de apoiados outros. Mas há um dia em que os fortes também se vão abaixo. Esse dia chegou para mim e eu refugiei-me nas terras e calor alem-tejanas. Preciso de respirar fundo, recuperar as minhas forças, o meu Eu. Para a semana volto a encarar o touro pelos cornos e preciso todo o apoio de quem faz parte da minha vida. Depois conto tudo. E desculpem se o post aparecer esquisito porque estou a escreve-lo na aplicacao do tablet.

Um Problema Na Sombra

              

 

Há alturas na vida em que nos apetece ardentemente desaparecer, esvair-se em fumo. Desaparecer com um simples estalar de dedos. E não é por cobardia ou incapacidade de enfrentar os problemas. Não. É tão simplesmente porque existem alguns problemas para os quais todas as soluções do mundo não servem para resolvê-los. Parece não existir um antídoto para eles, uma solução.

 

Como se resolve este tipo de problemas? Como se resolve um problema que quanto mais se combate, mais parece que se agiganta? É quase impossível conseguir-se viver com tranquilidade de espírito por mais que se ignore e evite o problema. É quase impossível viver-se sem que esse mesmo problema não invada a nossa mente, despoletado por pequenas coisas do quotidiano.

 

E esse problema é tão incisivo e exasperante que, por vezes, parece conseguir fazer com que o nosso organismo crie anti-corpos contra nós mesmos, que nos provoque uma urticária que nos faça sentir no inferno, que nos escave um buraco nas entranhas como se fosse o maior dos fossos.

 

E por mais que este problema esmague alguém, o humilhe e o estraça-lhe, acaba sempre por o atrair para o seu ponto centrífugo. Apenas porque se quer. Apenas porque não queremos saber dos outros, dos que nos amam realmente. Apenas porque continuamos ingénuos, e de ser levados com duas cantigas. E assim, não há qualquer resolução para o caso.

 

Resta-me apenas sentar, esperar desesperando que um raio de sol me ilumine e dê a mão...